(11) 4232-1155 rene@celtacontabil.com.br
Notícias

DESAPOSENTAÇÃO

Mesmo com a aprovação da troca da aposentadoria, em julgamento anteontem no STJ (Superior Tribunal de Justiça), o aposentado que trabalha não tem assegurado o direito a um novo benefício.

 

Isso porque a questão ainda deve ser julgada no STF (Supremo Tribunal Federal), que já analisa o assunto em outro processo.

 

O recurso extraordinário foi retirado de pauta com a aposentadoria do ex-ministro Carlos Ayres Britto em novembro e só deve ser analisado com a indicação do novo ministro para a vaga, que herdará a relatoria.

 

No processo no STF, o tribunal irá julgar se o aposentado pode renunciar a benefício já concedido. Caso decida que não, a troca da aposentadoria, autorizada pelo STJ, perde a validade.

 

Além disso, o processo no STF foi definido como de repercussão geral. Nesses casos, o Supremo também analisa o impacto econômico que a medida pode causar.

 

Hoje, o aposentado que trabalha paga as contribuições ao INSS (Previdência Social), mas não tem nenhuma contrapartida. O valor não é somado à aposentadoria e ele não recebe o valor de volta ao deixar o trabalho.

 

A troca do benefício permite incluir no novo cálculo as contribuições pagas após a concessão da primeira aposentadoria. Além disso, o segurado faz novo pedido com mais idade, o que reduz o fator previdenciário.

 

Os tribunais de instâncias inferiores são orientados a seguir a decisão do STJ, mas, para a advogada especialista em Previdência Marta Gueller, não é possível afirmar como essas cortes vão agir.

 

"O TRF-4 [Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que atende os Estados do Sul] já entende como o STJ, então deve continuar dando a troca de aposentadoria", disse.

 

O INSS afirmou que vai recorrer da decisão do STJ.

 

Para obter o novo benefício, o aposentado deve entrar na Justiça.

 

O advogado Daisson Portanova recomenda que isso seja feito o quanto antes, pois, se concedido futuramente, o benefício vai ser retroativo à data do pedido.

 

O governo estima em R$ 70 bilhões o custo só com as 24 mil ações que já tramitam na Justiça.

 

 

Fonte: DANIEL TREMEL (COLABORAÇÃO PARA A FOLHA)

A Celta Contábil

Fundada em novembro de 2000, sempre disposta em prestar serviços de alta qualidade, está com uma nova visão, viabilizar o pronto atendimento aos seus clientes, de forma que mantenha o nível de confiabilidade entre assessoria e empresa.

Como todo começo, tivemos dificuldades, porém, na atualidade contamos com sede própria, departamento jurídico e profissionais habilitados no desempenho de suas funções. Nossa missão: "Servir com excelência, alcançando o profissionalismo com o mais profundo carinho".

Envie Sua Mensagem

Ops... Preencha corretamente o formulário.
Obrigado! Seu contato foi encaminhada com sucesso.